segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O BAPTIZADO

O dia declinava já quando o Alentejo amarelecido nos viu passar. Esperava-nos, no silêncio belo daquele Lugar, a capela do Senhor Jesus dos Aflitos. Cá fora, as crianças brincavam, corriam, faziam perguntas e, quero crer, aprendiam afectos que há muito marcam pais e avós. Os amigos chegaram, poucos mas certos, e Sebastião da Gama deu início à cerimónia. Desta vez, não ficou tudo como estava, porque a pequena Constança, vendo a avó junto ao altar a ler, decidiu correr para ela..., aflita, pedindo para fazer xixi! É assim, afinal, a vida: - as urgências da existência sobrepõem-se à Fé...Depois, perante o sorriso amigo de todos, o pequeno António, feliz na segurança inconsciente dos seus cinco meses, recebeu a água sem choro e prestou atenção às palavras de oração.
A festa acabou em torno da mesa, na verdadeira fraternidade que só os amigos conseguem, e eu acredito, mas acredito mesmo, que o meu neto António ficou mais rico porque, na sua inocência e fragilidade, sentiu que terá sempre amigos para o ajudarem a sorrir à vida. Obrigada a todos, digo eu por ele!

2 comentários:

  1. Obrigada a avó fantástica que és. Sem ti o António não teria tido um batizado tão bonito.

    ResponderEliminar