terça-feira, 4 de junho de 2013

AMAR

Helena Sacadura Cabral lançou há pouco tempo mais um livro, O Amor é difícil.  É uma obra de escrita fácil, muito feminina, tecida de experiências próprias e ficcionadas que se vão cruzando aos olhos dos leitores. De facto, o amor é mesmo muito difícil! É exigente, impõe entrega, cedência, obriga a colocar o tu antes do eu e essa inversão da gramática dói que se farta. Costuma dizer-se que dantes, num tempo perdido, amar era mais fácil. Eu não acredito! Acredito que as pessoas se acomodassem, que desistissem de obter mais e melhor, que se anulassem, mas isso não é amor. Hoje, o amor exige muito mais exactamente porque a liberdade existe e o eu é, muitas vezes, o umbigo do mundo. Ainda assim, eu acredito que há grandes amores. Acredito que há pessoas capazes de se preocuparem com o "tu", de se entregarem exclusivamente, se mimarem, de ouvirem, de guardarem os julgamentos e as condenações no fundo de uma arca sem fundo!

 Eu sei que há, algures, quem saiba ouvir e perdoar, abraçar e enxugar lágrimas limpando as pedras do caminho. Se a vida é como um rio, e por isso não se repete nem recua, eu sei que há-de existir um remoinho de amor antes de se chegar ao oceano final!

6 comentários:

  1. De facto, amar, é tudo isso... é dar, é escutar, é compreender, é abraçar, é ternurar, é dar as mãos, é acompanhar, é ser amigo, é partilhar, é entregar-se, é entender, é mimar, é beijar...
    E há sempre um remoinho, uma volta, uma praia onde o amor, definitivamente, acontece!

    ResponderEliminar
  2. Gosto de Helena Sacadura Cabral.É toda uma Mulher e Mãe.Gosto do "saber estar" dela, da sua naturalidade ao falar de qualquer assunto, de como fala dos filhos, de como vê o mundo. Vou comprar esse livro, a ver se me ajuda a ver, ainda, o meu "remoinho de amor".Ó se vou!
    Obrigada pela dica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai ver que encontra o seu remoinho...

      Beijinhos

      Eliminar
  3. Também gosto muito de Helena Sacadura Cabral,tanto na escrita como na sua maneira de estar perante a vida; e, concordo que o amor só resulta em plenitude quando se consegue fazer a tal inversão gramatical " primeiro tu depois eu ".
    Não sendo assim as hipóteses são sempre temporárias,provisórias o que quer que seja dificilmente chegará ao mar:)

    ResponderEliminar