sábado, 22 de junho de 2013

Convulsão

Tem sido com horror e medo que tenho acompanhado os protestos no Brasil. É um país enorme, cheio de potencialidades mas, também, feito de injustiças e maldades. Num país onde há crianças a viver no lixo, famílias inteiras em morros de miséria, bandidos à solta em cada esquina, quase me parece uma provocação de Deus o cenário maravilhoso de cidades como o Rio de Janeiro... Compreendo a revolta dos brasileiros. Não sentimos nós também, com dor e raiva, a injustiça e a estupidez violenta que representou a construção de dez estádios novos para o Euro 2004?! Que é feito desses estádios agora? A maioria fechou, está decadente, de nada serve... Os brasileiros têm razão em protestar, em defender que as prioridades de investimento deviam ser outras. Parece-me, a mim que vejo tudo do outro lado do mar, que verificaram que Lula não foi o fazedor de igualdades, que Dilma não é a diferença com sentido. No entanto, e apesar da razão que lhes reconheço, apavora-me a violência dos protestos,  este tocar a rebate a que alguns continuam surdos, assusta-me que aquele país caia numa guerra civil. A violência nunca me agradou, acredito que o Homem tem o poder da palavra, mas, neste momento, creio que o mundo vive uma convulsão profunda a partir da qual nada mais ficará igual. Síria, Irão, Turquia, Brasil, Grécia, Coreias, Palestina, Israel, Angola, Moçambique são, apenas, alguns dos lugares onde, hoje, a violência é quotidiana. O mundo aprece estar a contorcer-se de revolta e mágoa, procurando um outro caminho. Não é mais possível, penso, imaginar o amanhã igual ao hoje. E não sei para onde vamos... Pessoalmente, acredito que a mudança está em cada m de nós, que só mudará o todo se mudar cada um, que o caminho se deve fazer através da compreensão e respeito, da justiça e da diferença. Mas sei que estes Valores estão esquecidos, que predomina um umbiguismo doentio, que cada um só pensa em si mesmo e na sua verdade. Tenho medo pelos meus netos, pelos meus jovens. Por mim também.

6 comentários:

  1. E o que fazemos nós, ou o que podemos fazer, para mudar o Mundo? As suas palavras fazem-me sentir angustiado.

    António

    ResponderEliminar
  2. Também me assusta a violência crescente. Devia ser mais fácil amar do que odiar.

    Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Teresa,
      Como eu concordo consigo!! Amar devia ser fácil...

      Eliminar
  3. Não acha incrível que, com tantos problemas graves no mundo, ainda haja homens e mulheres que desperdiçam a felicidade e envenenam o tempo com coisas insignificantes??

    Margarida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que incrível, acho dolorosamente estúpido!

      Eliminar