quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

De LONGE BEM PERTO

De longe, parece que a realidade fica mais nítida. Paradoxo, talvez, e por isso tão verdadeiro como o Mito ser o nada que é tudo. Não sei o quer se passa em Portugal, oiço chuva e vento lá fora e o som estrangeiro da televisão não me assusta. Aqui estou de novo, em terras de Sua Majestade, com o coração cheio de ternura e a cabeça desligada. Sei que lá longe não há prece de que volte cedo e bem. Sei que, dentro de três dias, vou voltar à mágoa quotidiana, às desilusões, aos egoísmos mesquinhos. Mas, agora, entro deliberadamente no faz de conta e eternizo estes cinco dias de sentires com sentido!

1 comentário:

  1. Como "não há prece de que volte cedo e bem" ?! Que exagero, Luisa!

    ResponderEliminar